quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

FELIZ 2010!!!


Ao ensejo de mais um tempo, que o Senhor nos concede a graça de viver, cabe a nós refletirmos quanto ao nosso agir como seguidores de Cristo Jesus. Um tempo novo é sempre uma nova oportunidade para a reconstrução da Vida, para refazer o caminho, evitar os enganos, erros e excessos, tudo por uma busca incessante de aperfeiçoamento; este é o dever do Cristão, buscar sempre o crescimento espiritual para melhor viver sua condição de filho de Deus. A certeza que é pelo amor ao proximo que chegamos ao amor a Deus, devem nos conduzir na direção do outro pelo perdão, misericórdia, compreensão e solidariedade, tudo isso como resultado do nosso desejo de amar. Deus nos conceda a força de bem servi-lo neste novo tempo que se aproxima.

Boas Festas e que o Senhor nos abençoe!

Dom Raimundo Augusto
Bispo Abade de Feira de Santana

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

MENSAGEM DE NATAL


Irmãos e Irmãs,


É Natal!
Todos os Anos o mundo para e deixa transcorrer no tempo, final do Ano a celebração da Memória do Nascimento de Jesus, filho de Maria e José, nascido segundo a tradição, numa gruta, nos arredores da cidade de Belém na Judeia.
Para nós Cristãos, esta data celebra o Mistério da Encarnação, o Cristo de Deus, tomando a forma humana, para cumprir a Missão de resgatar a humanidade para sua verdadeira vocação, ser a família dos filhos e filhas de Deus, nosso pai criador, cumpre a promessa feita a nossos primeiros pais, desde os primórdios da criação.
Por este motivo, devemos refletir sobre o sentido destes acontecimentos, e preparar nossa alma, com as alegrias da Esperança, para viver a grandiosidade do AMOR. O Amor de Deus para conosco.
Que cada amigo, cada companheiro, que passa por nossa vida, possa neste momento Especial, receber de nós os afetuosos gestos de fraterna solidariedade, afim de manifestarmos nele o verdadeiro amor Cristão, tenham um Natal Feliz e que o Ano Novo seja pleno em realizações. Deus abençoe a todos.

+Dom Augusto
Bispo Abade de Feira de Santana

domingo, 29 de novembro de 2009

FESTA DE SANTA LUZIA


TREZENA DE SANTA LUZIA

Inicia-se no dia 01 de Dezembro a Festa de Santa Luzia, com a tradicional trezena de 1º a 13 de dezembro. Com o tema "Jesus Divino Filho do Pai Eterno" e Sub-Tema “ Santa Luzia espelho de Caridade”.

1º Noite : Jesus Filho de Maria Virgem e Mãe
Oração pela pessoa com câncer.
Patronos: Noite da Família, Eloíza Telles, Lindaura Maria Carvalho

2º Noite : Jesus Promessa do Pai Eterno - Messias
Oração pelos Portadores do vírus HIV.
Patronos: Moradores da Ruas Senador Quintino e Adjacências, Severina Rocha Magalhães, Juvenal dos Santos e Marina Cruz.

3º Noite : Jesus Descendência de Davi.
Oração pelos Portadores da Hanseníase.
Patronos: Pastoral do Matrimônio, Silvestre Nunes e Maria José Simões, João Brandão e Maria José, Carlos Dórea e Patrícia.

4º Noite : Jesus o Esperado.
Oração pelos Portadores de Doenças do Coração.
Patronos: Empresa Santana ( Pedro Barros e Samuel ), Brasfrut, Ikebana e Encanto da Carne do Sol

5º Noite : Jesus Mediador e Advogado Nosso
Oração pelos doentes Mentais.
Patronos: Noite das Vocações Sacerdotais, Ministros da Igreja( Maria Andrea Ferreira, Roneton Lima, Marcos Paulo Ribeiro de Almeida).

6º Noite : Jesus Luz do Mundo.
Oração pelos Portadores de doenças dos Ossos.
Patronos: Pastoral da Evangelização e Catequese - Alunos da Catequese e Família( Jocitelma Silva de Carvalho).

7º Noite : Jesus o Bom Pastor.
Oração pelos Portadores de Deficiências Cerebrais.
Patronos: Dizimistas e Colaboradores da Paróquia Maria Nossa Sra. Mãe dos Excluídos, Marlene Martins, Therezinha Rodrigues Soares, Antonio e Ivete

8º Noite : Jesus Cordeiro de Deus.
Oração pelos Portadores de Deficiências Auditivas.
Patronos: Assistidos do Pão de Santo Antonio, Maria Emidia, Maria Vanda e Adecilda.

9º Noite : Jesus Mestre – Antigo e Novo Testamento.
Oração pelos Portadores de Doenças nos Rins.
Patronos: Juventude da Comunidade dos Olhos D`água e Adjacências ( Conselho Paroquial )

10º Noite : Jesus Salvador de Mundo.
Oração pelos Portadores de Doenças Gástricas e Hepáticas.
Patronos: Profissionais da Oftalmologia ( Dr. Pedro Gantois )

11º Noite : Jesus Redentor.
Oração pelos Portadores de Doenças do Pulmão.
Patronos: Sociedade dos Cirineus, Eloiza Telles, Clarice Moreira Machado e Roque Cardoso.

12º Noite : Jesus Sacerdote.
Oração pelos Portadores de Doenças Neurológicas.
Patronos: Colaboradores de Salvador e Devotos de Santa Luzia, Vitória Maria Serra Aouad e Maridélia Sampaio.

13º DIA DA FESTA
08:00 Hs Missa paróquial e batizados
18:30 Hs Missa Solene de Santa Luzia e todos os atos seguido com a Procissão pelo bairro da Cidade.

VENHA PARTICIPAR CONOSCO

SANTA LUZIA, ROGAI POR NÓS!

domingo, 15 de novembro de 2009

Santo André 30 de Novembro


Apóstolo de Jesus Cristo nascido em Betsaida da Galiléia, também conhecido como o Afável foi escolhido para ser um dos Doze, e nas várias listas dos Apóstolos dadas no Novo Testamento é sempre citado entre os quatro mais importantess, junto com Pedro, João e Tiago, sendo seu nome mencionado explicitamente três vezes: por ocasião do discurso sobre a consumação dos tempos de Jesus, na primeira multiplicação dos pães e dos peixes e quando, juntamente com Filipe, apresentou ao mestre alguns gentios. Também pescador em Cafarnaum, foi o primeiro a receber de Cristo o título de Pescador de Homens e, portanto, o primeiro a recrutar novos discípulos para o Mestre. Filho de Jonas tornou-se discípulo do João Batista, cujo testemunho o levou juntamente com João Evangelista a seguirem Jesus e convencer seu irmão mais velho, Simão Pedro a seguí-los. Desde aquele momento os dois irmãos tornaram-se discípulos do Senhor e deixaram tudo para seguí-lo. No começo da vida pública de Jesus ocuparam a mesma casa em Cafarnaum. Segundo as Escrituras esteve sempre próximo ao mestre durante sua vida pública. Estava presente na Última Ceia, viu o Senhor Ressuscitado, testemunhou a Ascensão, recebeu graças e dons no primeiro Pentecostes e ajudou, entre grandes ameaças e perseguições, a estabelecer a Fé na Palestina, passando provavelmente por Cítia, Épiro, Acaia e Hélade. Para Nicéforo ele pregou na Capadócia, Galácia e Bitínia, e esteve em Bizâncio, onde determinou a fundação da Igreja local e apontou São Eustáquio como primeiro bispo. Finalmente esteve na Trácia, Macedônia, Tessália e Acaia. Foi na Grécia, segundo a tradição, durante o reinado de Trajano, que foi crucificado em Patros da Acaia, cidade na qual havia sido eleito bispo, por ordem do procônsul romano Egéias. Atado, não pregado, a uma cruz em forma de X, que ficou conhecida como a cruz de Santo André, embora que a evidência generalizada deste tipo de martírio não seja anterior ao século catorze. Suas relíquias foram transferidas de Patros para Constantinopla (356) e depositadas na igreja dos Apóstolos (357), tornando-se padroeiro desta cidade. Quando Constantinopla foi invadida pelos franceses no início do século treze, o Cardeal Pedro de Cápua trouxe as relíquias à Itália e as colocou na catedral de Amalfi. Anos mais tarde, decidiram levar seus restos mortais para a Escócia, onde fora escolhido padroeiro, mas o navio que os transportava naufragou em uma baía que, por esta ocorrência, passou a ser denominada de Baía de Santo André. É honrado como padroeiro da Rússia e Escócia e no calendário católico é comemorado no dia 30 de novembro, data de seu martírio.

É DECLARADO PATRONO DA ORDEM RELIGIOSA FUNDADA POR DOM SALOMÃO FERRAZ - OS PADRES ANDRELINOS E TORNOU-SE PATRONO DA IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA INDEPENDENTE ORGANIZADA NO BRASIL PELO MESMO DOM SALOMÃO FERRAZ.

Novembro inicio do Advento

Advento



Conforme o uso atual [1910], o Advento é um tempo litúrgico que começa no Domingo mais próximo à festa de Santo André Apóstolo (30 de Novembro) e abarca quatro Domingos. O primeiro Domingo pode ser adiantado até 27 de Novembro, e então o Advento tem vinte e oito dias, ou atrasar-se até o dia 3 de Dezembro, tendo somente vinte e um dias.

Com o Advento começa o ano eclesiástico nas Igrejas ocidentais. Durante este tempo, os fiéis são exortados a se prepararam dignamente para celebrar o aniversário da vinda do Senhor ao mundo como a encarnação do Deus de amor, de maneira que suas almas sejam moradas adequadas ao Redentor que vem através da Sagrada Comunhão e da graça, e em conseqüência estejam preparadas para sua vinda final como juiz, na morte e no fim do mundo.

Simbolismo

A Igreja prepara a Liturgia neste tempo para alcançar este fim. Na oração oficial, o Breviário, no Invitatório das Matinas, chama a seus ministros a adorar "ao Rei que vem, ao Senhor que se aproxima", "ao Senhor que está próximo", "ao que amanhã contemplareis sua glória". Como Primeira Leitura do Ofício de Leitura introduz capítulos do profeta Isaías, que falam em termos depreciativos da gratidão da casa de Israel, o filho escolhido que abandonou e esqueceu seu Pai; que anunciam o Varão de Dores ferido pelos pecados de seu povo; que descrevem fielmente a paixão e morte do Redentor que vem e sua glória final; que anunciam a congregação dos Gentis em torno ao Monte Santo. As Segundas Leituras do Ofício de Leitura em três Domingos são tomadas da oitava homilia do Papa São Leão (440-461) sobre o jejum e a esmola, como preparação para a vinda do Senhor, e em um dos Domingos (o segundo) do comentário de São Jerônimo sobre Isaías 11,1, cujo texto ele interpreta referido a Santa Maria Virgem como "a renovação do tronco de Jessé". Nos hinos do tempo encontramos louvores à vinda de Cristo como Redentor, o Criador do universo, combinados com súplicas ao juiz do mundo que vem para proteger-nos do inimigo. Similares idéias são expressadas nos últimos sete dias anteriores à Vigília de Natal nas antífonas do Magnificat. Nelas, a Igreja pede à Sabedoria Divina que nos mostre o caminho da salvação; à Chave de Davi que nos livre do cativeiro; ao Sol que nasce do alto que venha a iluminar nossas trevas e sombras de morte etc. Nas Missas é mostrada a intenção da Igreja na escolha das Epístolas e Evangelhos. Nas Epístolas é exortado ao fiel que, dada a proximidade do Redentor, deixe as atividades das trevas e se vista com as armas da luz; que se conduza como em pleno dia, com dignidade, e vestido do Senhor Jesus Cristo; mostra como as nações são chamadas a louvar o nome do Senhor; convida a estar alegres na proximidade do Senhor, de maneira que a paz de Deus, que ultrapassa todo juízo, custodie os corações e pensamentos em Cristo Jesus; exorte a não julgar, a deixar que venha o Senhor, que manifestará os segredos escondidos nos corações. Nos Evangelhos, a Igreja fala do Senhor, que vem em sua glória; dAquele no qual e através do qual as profecias são cumpridas; do Guia Eterno em meio aos Judeus; da voz no deserto, "Preparai o caminho do Senhor". A Igreja em sua Liturgia nos devolve no espírito ao tempo anterior à encarnação do Filho de Deus, como se ainda não tivesse ocorrido.

Estamos não somente exortados a tirar proveito do bendito acontecimento, como também a suspirar diariamente como nossos antigos pais, "Gotejai, ó céus, lá do alto, derramem as nuvens a justiça, abra-se a terra e brote a salvação". As Coletas nos três dos quatro Domingos deste tempo começam com as palavras, "Senhor, mostra teu poder e vem" - como se o temor a nossas iniqüidades previsse seu nascimento.

Duração e Ritual

Todos os dias de Advento devem ser celebrados no Ofício e Missa do Domingo ou Festa correspondente, ou ao menos deve ser feita uma Comemoração dos mesmos, independentemente do grau da festa celebrada. No Ofício Divino o Te Deum, jubiloso hino de louvor e ação de graças, se omite; na Missa o Glória in excelsis não se diz. O Alleluia, entretanto, se mantém. Durante este tempo não pode ser feita a solenização do matrimonio (Missa e Bênção Nupcial); incluindo na proibição a festa da Epifania. O celebrante e os ministros consagrados usam vestes violeta. O diácono e subdiácono na Missa, no lugar das túnicas usadas normalmente, levam casulas com pregas. O subdiácono a tira durante a leitura da Epístola, e o diácono a muda por outra, ou por uma estola mais larga, posta sobre o ombro esquerdo entre o canto do Evangelho e a Comunhão. Faz-se uma exceção no terceiro Domingo (Domingo Gaudete), no qual as vestes podem ser rosa, ou de um violeta enriquecido; os ministros consagrados podem neste Domingo vestir túnicas, que também podem ser usadas na Vigília do Natal, ainda que fosse no quarto Domingo de Advento. O Papa Inocêncio III (1198-1216) estabeleceu o negro como a cor a ser usada durante o Advento, mas o violeta já estava em uso ao final do século treze. Binterim diz que havia também uma lei pela qual as pinturas deviam ser cobertas durante o Advento. As flores e as relíquias de Santos não deviam ser colocadas sobre os altares durante o Ofício e as Missas deste tempo, exceto no terceiro Domingo; e a mesma proibição e exceção existia relacionada com o uso do órgão. A idéia popular de que as quatro semanas de Advento simbolizam os quatro mil anos de trevas nas quais o mundo estava envolvido antes da vinda de Cristo não encontra confirmação na Liturgia.

Origem Histórica

Não pode ser determinada com exatidão quando foi pela primeira vez introduzida na Igreja a celebração do Advento. A preparação para a festa de Natal não deve ser anterior à existência da própria festa, e desta não encontramos evidência antes do final do século quarto quando, de acordo com Duchesne [Christian Worship (London, 1904), 260], era celebrada em toda a Igreja, por alguns no dia 25 de Dezembro, por outros em 6 de Janeiro. De tal preparação lemos nas Atas de um sínodo de Zaragoza em 380, cujo quarto cânon prescreve que desde dezessete de Dezembro até a festa da Epifania ninguém devesse permitir a ausência da igreja.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Outubro mês do Rosario


Por que chamam ao mês de Outubro o mês do Rosário?

No século XVI, foi travada a célebre batalha de Lepanto, quando os cristãos expulsaram os turcos de Chipre e Veneza, bloqueando a invasão otomana prestes a ocorrer na Europa . Como a Europa cristã apelou para o Santo Rosário pedindo auxílio para seus combatentes, foi escolhido o dia 07 de outubro, pelo Papa São Pio para celebrar a festa do Rosário.

ORIGEM DO ROSÁRIO
Rosário significa coroa de rosas. A Igreja antiga pedia que os fiéis recitassem os cento e cinquenta salmos de David. Mas, para recitar os salmos, era preciso saber hebraico, grego ou latim. Aqueles que não sabiam ler ou não tinham tempo para essa oração substituiram os 150 salmos por 150 Avé-Marias, separadas em 15 séries de dez, ou dezenas. S. Domingos, que morreu em 1221, popularizou essa devoção com o formato atual.

Um Rosário era divido originalmente em três partes, rezando-se assim um terço de cada vez.

Cada terço é composto de várias orações e jaculatórias, com grande "ênfase" do número de orações da Ave Maria rezadas - 50 - e ao conjunto de orações de cada terço chama-se mistério. A oração dos mistérios nos mostra o nascimento, morte e ressurreição de Jesus Cristo, nosso salvador. A Igreja faz a sugestão de se distribuir a oração do Rosário entre os dias semana, ficando assim "um terço" por dia da semana.

palavra rosário vem da palavra latina Rosarium que significa "campo de rosas". A rosa é uma flor que tem grande simbolismo cristão: é o símbolo das missões. Cada vez que se reza uma Avé-Maria é uma Rosa que se oferece a Nossa Senhora. É na boca da tradição que se ouve "não há rosa sem espinhos", mostrando assim por um lado a beleza da rosa e o seu perfume e por outro as dificuldades e sacrifícios que lhe estão associados.

É importante recordar que o rosário, é uma oração bíblica, cristocêntrica, pois, os mistérios contemplados são os mistérios centrais da história da salvação, da nossa fé e as orações que se rezam são orações tiradas da Sagrada Escritura.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Santos que celebramos no mês de Outubro

01 - Santa Therezinha do Menino Jesus, virgem.
Discreta e silenciosa, durante a vida quase não chamou a atenção sobre si. Parecia uma freira comum, sem nada de excepcional. Faleceu aos 24 anos, tuberculosa, depois de passar por terríveis sofrimentos.
02 - Santos Anjos da Guarda.
Este dia é consagrado pela Igreja ao culto dos Santos Anjos da Guarda. Deus, em sua misericórdia, atribui a cada homem um Anjo, que o acompanha em todos os passos da vida, reza por ele, protege-o contra os perigos do corpo e da alma.
03 - Santa Maria Josefa Rosselo, religiosa.
04 -São Francisco de Assis
Numa época em que o apego intemperante às riquezas minava profundamente a espiritualidade medieval, Deus suscitou Francisco, o enamorado da Dama Pobreza, para restaurar o equilíbrio necessário. Francisco foi uma das colunas sobre as quais a Igreja se sustentou naquele século.
05 - São Benedito, o negro religioso
No Brasil celebra-se neste dia a festa de São Benedito, o Preto. Em outros países, é a 4 de abril que se comemora essa festa. Benedito nasceu na Sicília, por volta de 1526, filho de pretos que haviam sido escravos ou que descendiam de outros que o tinham sido. Ingressou num convento franciscano de Palermo, capital da Sicília, e foi religioso exemplar, primando pelo espírito de oração, pela humildade e pela obediência. Embora simples irmão leigo e analfabeto, a sabedoria e o discernimento que possuía fizeram com que fosse nomeado mestre de noviços e mais tarde fosse eleito superior do convento.
06 - São Bruno sacerdote
Era natural de Colônia, na Alemanha. Ordenado sacerdote, passou 25 anos lecionando em Reims, na França. Ao cabo desse tempo, sendo já cinqüentenário, decidiu, com mais seis companheiros, adotar uma nova forma de vida eremítica em um local deserto e inóspito do sul da França. Nasceu assim a Grande Cartuxa. Mais tarde foi chamado a Roma pelo Papa Urbano II, que tinha sido seu discípulo em Reims. Recusou terminantemente aceitar um bispado, e fundou uma nova Cartuxa, na Calábria. Foi nesta sua segunda fundação que entregou a alma ao Senhor, aos 66 anos de idade.
07 - Nossa Senhora do Rosario
Festa instituída pelo Papa São Pio V, como ação de graças pela prodigiosa vitória de Lepanto, obtida em 1571 pela armada católica, comandada por D. João d'Áustria, contra os turcos maometanos. O Papa ordenara que, em toda a Cristandade, se rezasse o Rosário pedindo essa vitória que, segundos os cálculos humanos, parecia impossível.
08 - S. Dionisio Martir e S. João Leonardi
09 - S. João Leonardo
10 - S. Daniel Comboni bispo
11 - S. Alexandre Sauli bispo
12 - Nossa Senhora Aparecida
13 - S. Eduardo rei
14 - S. Calisto I papa e martir
15 - S. Teresa de Jesus virgem e doutora
16 - S. Geraldo Majela e Santa Margarida
17 - Santo Inacio de Antioquia
18 - São Lucas Evangelista
19 - São Paulo da Cruz
20 - s. Maria Bertilia Boscardin religiosa
21 - S. Hilarião de Gaza abade
22 - S. Abércio de Hierápolis bispo
23 - S. João de Capistrano sacerdote
24 - Santo Antonio Maria Claret bispo
25 - S. Antonio Maria Claret bispo
26 - S. Evaristo papa
27 - S. Frumêncio bispo
28 - S. Simão e S. Judas
29 - S. Narcisio bispo
30 - S. Marcelo mártir
31 - S. Quintino mártir

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

O Concílio do Rio de Janeiro 2009


A igreja Católica Independente no Brasil. Rege-se por regras da tradição cristã no que concerne os poderes que a administram e pela orientação do Espírito Santo quanto aos artigos que envolvem os mistérios interpretações da mensagem divina oriundos dos sagrados sacramentos. Assim sendo seu Clero consagrado participa do mesmo. A Igreja reúne-se em Concílio convocado pelo patriarcado estância maior da nossa administração para deliberar sobre o trabalho de evangelização e a MENSAGEM QUE MELHOR ALCANCE O POVO DE DEUS, principalmente neste século de tantas controversas.
É com esta finalidade pois que no Brasil se convocou o concílio do Rio de Janeiro com início previsto para os dias 12 a 15 de Outubro de 2009, como primeiro passo deste esforço evangelizador para este inicio de terceiro milénio, lá se debaterá todos os assuntos pertinentes ao que melhor possa ser feito a fim de melhor cumprir-se o ordenamento do Senhor Jesus.

"Ide, pois fazer discípulo entre todas as nações e batizai-o em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-lhes a observar tudo o que vos tenho ordenado. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos." Mt 28,19-20

Vamos pois ao Concílio e oremos pelos padres conciliares para que sejam dóceis ao Espírito Santo e levem avante os ideais de uma IGREJA SERVIÇO, uma IGREJA MÃE, uma IGREJA PEREGRINA, uma igreja enfim empenhada na glória do Reino de Deus.

Dom Augusto

Dom Manoel Ceia laranjeira



Homenagem do Clero a sua Beatitude Dom Manoel Ceia Laranjeira um dos primeiros Patriarcas da Igreja Católica Apostolica Independente no Brasil

domingo, 20 de setembro de 2009

São Cosme e São Damião


Os santos gêmeos, morreram em cerca de 300 d.C. Sua festa é celebrada em 27 de setembro. Somente a igreja Católica comemora no dia 26 de setembro pois, segundo o calendário católico, o dia 27 de setembro é o dia de São Vicente de Paulo.

Há relatos que atestam serem originários da Arábia, de uma família nobre de pais cristãos, no século III. Seus nomes verdadeiros eram Acta e Passio.

Estudaram medicina na Síria e depois foram praticá-la em Egéia. Diziam "Nós curamos as doenças em nome de Jesus Cristo e pelo seu poder".

Exerciam a medicina na Síria, em Egéia e na Ásia Menor, sem receber qualquer pagamento. Por isso, eram chamados de anargiros, ou seja, inimigos do dinheiro.

Cosme e Damião foram martirizados na Síria, porém é desconhecida a forma exata como morreram. Perseguidos por Diocleciano, foram trucidados e muitos fiéis transportaram seus corpos para Roma.

Conta-se que eram sempre confiantes em Deus, que oravam e obtinham curas fantásticas. Também foram chamados de "santos pobres".

A partir do século V os milagres de cura atribuídos aos gêmeos fizeram com que passassem a ser considerados médicos. Mais tarde, foram escolhidos patronos dos cirurgiões.

Segundo a crença popular apareceram materializados depois de mortos, ajudando crianças que sofriam violências.

Ao gêmeo Acta é atribuído o milagre da levitação e ao gêmeo Passio a tranqüilidade da aceitação do seu martírio.

SINCRETISMO

O dia de São Cosme e Damião é celebrado também pelo Candomblé, Batuque, Xangô do Nordeste, Xambá e pelos centros de Umbanda onde são associados aos ibejis, gêmeos amigos das crianças que teriam a capacidade de agilizar qualquer pedido que lhes fosse feito em troca de doces e guloseimas. O nome Cosme significa "o enfeitado" e Damião, "o popular".

Estas religiões os celebram no dia 27 de setembro, enfeitando seus templos com bandeirolas e alegres desenhos, tendo-se o costume, principalmente no Rio de Janeiro, de dar às crianças (que lotam as ruas em busca dos agrados) doces e brinquedos.

ORAÇÃO

Amados São Cosme e São Damião,
Em nome do Todo-Poderoso
Eu busco em vós a bênção e o amor.

Com a capacidade de renovar e regenerar,
Com o poder de aniquilar qualquer efeito negativo
De causas decorrentes
Do passado e presente,
Imploro pela perfeita reparação
Do meu corpo e
Dos meus filhos
(...............................................)
nome dos filhos
E de minha família.

Agora e sempre,
Desejando que a luz dos santos gêmeos
Esteja em meu coração!
Vitalize meu lar,
A cada dia,
Trazendo-me paz, saúde e tranqüilidade.

Amados São Cosme e Damião,
Eu prometo que,
Alcançando a graça,
Não os esquecerei jamais!
Assim seja,
Salve São Cosme e Damião,
Amém!

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Caridade Cristã


Caridade é Amor, e Amor ao próximo, é vida santificante, é fraternidade.
No Mundo laico de hoje, a palavra caridade tem vindo a ser substituída pela palavra solidariedade, modo envergonhado de designar a caridade autêntica.
Von de Mines referia que “os homens que se dizem incapazes de ser solidários com os outros homens, normalmente querem governa-los”. Sem dúvida que a solidariedade, como forma de relacionamento humano, já é importante, nomeadamente na solidariedade politica, social, económica, financeira, etc., mas a caridade autêntica ultrapassa os domínios humanos para ir ao encontro de Deus. É, acima de tudo, um viver e sentir o outro como de si mesmo se tratasse (na forma heróica que a todos nos interpela, é uma não-vivência de si mesmo para viver no outro). “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos”, é o primeiro mandamento que Deus nos legou nas Tábuas do Sinai.

Cristo, no seu testemunho de dar a vida por todos e cada um de nós, ao deixar-se pregar no madeiro feito Cruz, deu-nos o sinal que é preciso mais e mais caridade para mudarmos este mundo cada vez mais economicista, ou seja, mais egoísta.
A autêntica Caridade, o ver-se e sentir-se no outro como em si mesmo, é sinónimo de Paz para quem a pratica e para quem a recebe, e é a única seiva para um mundo fraterno.

Mesmo que o Poder suba à cabeça, não deveria mudar nosso grau de caridade fraterna com simplicidade e humildade. Irmãos seremos sempre uns dos outros em igualdade da natureza humana embora exista diferença no exercício do carisma e do dom recebido de Deus. Nesse sentido é que se diz que somos todos iguais. É um absurdo o distanciamento que se criam por razões burocráticas, autoconceito de poderes, imperativos legais e outros adjetivos que costumam dar para fazer brilhar o poder temporal, o qual nada tem a ver com o imortal e eterno, portanto não corresponde ao amor e a caridade que é a simplicidade do Eterno refulgindo no perecível para santificar os mortais.

Penso que a vida fraterna dentro dos parâmetros da caridade do Evangelho deve ser a base de uma nova, eficiente e bem sucedida Evangelização. Evangelizar na Caridade é atrair a paz. Despojar-se de si, dos interesses meramente humanos e das grandezas que um pseudo poder, eventualmente poderia dar é, por si só, um ato de Cristianizar o mundo. A vida fraterna vivida conforme o programa traçado pelos Apóstolos e pelo próprio Jesus é o princípio Crístico, do amor dentro nós.

Sejamos irmãos, querendo o triunfo do outro. Criemos a paz abrindo espaços para o amor fraterno. Deixemos de lado todas as leis humanas e canônicas quando se trata de unir, congregar e agrupar irmãos na caridade, pois “Temos de Deus este mandamento: o que amar a Deus, ame também a seu irmão”. ( I Jo. 4,21)

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

A família nos planos de Deus


A Igreja ensina que a família é um dos bens mais preciosos da humanidade.

A família é um dom precioso porque forma parte do plano de Deus para que todas as pessoas possam nascer e desenvolver-se em uma comunidade de amor, ser bons filhos de Deus neste mundo e participar na vida futura do Reino dos Céus: Deus quis que os homens, formando a família, colaborem com Ele nesta tarefa.
Nas Sagradas Escrituras -a Bíblia-, se narra a criação do primeiro homem e da primeira mulher: Deus os criou a sua imagem e semelhança; os fez varão e mulher, os ebençou e os mandou crescer e multiplicar-se para povoar a terra (cf. Gn 1, 27). E para que isto fosse possível de um modo veraddeiramente humano, Deus mandou que o homem e a mulher se unissem para formar a comunidade de vida e amor que é o matrimônio (cf. Gn 2, 19-24).
Quando as famílias se formam segundo a vontade de Deus, são fortes, sanas e felizes; possibilitam a promoção humana e espiritual dos seus membros contribuindo à renovação de toda a sociedade
Somente com a ajuda da graça de Deus, vivendo de verdade o Evangelho, é possível realizar plenamente o projeto de Deussobre o matrimônio e a família.
Quando a infidelidade, o egoísmo e a irresponsabilidade dos pais com respeito aos filhos são as normas de conduta, toda a sociedade se vê afetada pela corrupção, pela desonestidade de costumes e pela violência.
As mudanças culturais das últimas décadas influenciaram fortemente no conceito tradicional da família. Entretanto, a família é uma instituição natural dotada de uma extraordinária vitalidade, com grande capacidade de reação e defesa. Não todas estas mudanças foram prejudiciais e por isso o panorama atual sobre a família se pode dizer que está composto de aspectos positivos e negativos
O sentido cristão da vida influenciou muito para que em nossa sociedade se promova cada vez mais: uma consciência mais viva da liberdade e responsabilidades pessoais no seio das famílias; o desejo de que as relações entre os esposos e dos pais com os filhos sejam virtuosas; uma grande preocupação pela dignidade da mulher; uma atitude mais atenta à paternidade e maternidade responsáveis; um maior cuidado com a educação dos filhos; uma maior preocupação pelas famílias para que se relacionem e se ajudem entre si.
São muitos e todos eles revelam as conseqüências que provoca o rechaço do amor de Deus pelos homens e mulheres da nossa época. De modo resumido podemos indicar: uma equivocada concepção da independência dos esposos; defeitos na autoridade e na relação entre pais e filhos; dificuldades para que a família transmita os valores humanos e cristãos,
A única solução eficaz é que cada homem e cada mulher se esforcem para viver nas suas famílias os ensinamentos do Evangelho, com autenticidade. O sentido cristão da vida fará que sempre prevaleçam os sinais positivos sobre os negativos, por mais que estes nunca faltem.
Sim, porque Jesus Cristo nasceu em uma família exemplar; seus pais foram José e Maria. Ele os obedeceu em tudo (cf. Lc 2, 51) e aprendeu deles a crescer como verdadeiro homem. Assim pois, a família de Cristo é exemplo e modelo para toda família.
Os exemplos da Sagrada Família alcançam os homens de todas as épocas e culturas, porque o único modo de conseguir a realização pessoal e a dos seres amados é criar um lar onde a ternura, o respeito, a fidelidade, o trabalho, o serviço desinteressado sejam as normas de vida.

sábado, 5 de setembro de 2009

MÊS DA BÍBLIA....... Você lê a Bíblia???


Poucos são os que lêem a Bíblia com real proveito. A maior parte não a lê - ou lê muito mal. Prende-se apenas aos versículos das caixinhas de promessas e a breves textos selecionados.

Um texto bíblico, para que seja compreendido e haja correta aplicação, deve ser lido dentro do contexto imediato que o cerca, examinado à luz do Espírito Santo, interpretado a partir do ambiente histórico-cultural em que foi produzido e avaliado sem que se ofusque o conteúdo das mensagem das Escrituras. Além disso, convém considerar e respeitar a diversidade dos gêneros literários que compõem o conjunto dos livros bíblicos.Também interpretamos com critérios bastante distintos a poesia dos salmos e as profecias do Antigo Testamento, os artigos da legislação mosaica e as narrativas das parábolas nos Evangelhos, o discurso de Cristo no Sermão do Monte e as dramáticas descrições apocalípticas.

Martinho Lutero, durante os acirrados debates em defesa da autoridade soberana das Escrituras contra o tradicionalismo católico-romano, apregoava o livre exame do livro sagrado e apoiava a tradução dos textos bíblicos para a língua do povo. Quando indagavam ao reformador alemão se não considerava perigoso deixar o leitor à vontade para fazer sua própria interpretação da Bíblia, Lutero afirmava ser menos prejudicial à Palavra de Deus confrontar várias interpretações diferentes, com liberdade para optar por aquela que melhor obedecesse às normas da boa hermenêutica, do que se submeter obrigatoriamente a uma só interpretação oficial sem direito a qualquer discordância.

Há cinqüenta anos, poucos católicos tinham uma Bíblia em casa. Hoje, a situação alterou-se radicalmente, sendo poucos os que não a têm. Mas te-la significa abri-la? Refletindo bem claro que não. Muitos Católicos até tem mas usam como um enfeite de casa, um objeto decorativo apenas e se quer pega para ler. Uma pesquisa aos católicos que costumam ir à missa: há uma Bíblia em casa, mas só uma minoria a abre para ler.

No caso católico, a distância em relação à Bíblia tem razão histórica: por causa da Reforma de Lutero, que defendia o acesso de todos à Bíblia e a liberdade de interpretação, a Igreja Católica optou por esconder o texto dos fiéis. Até a meio século, mesmo uma moça que quisesse ser freira teria dificuldade em arranjar uma Bíblia para ler sozinha. Tudo bem que Com o Concílio Vaticano II, isso mudou.
A Igreja não cumpriu o papel de ensinar a Bíblia”.

Pesquisa realizada , revelou que nove em cada dez católicos que vão à missa têm em casa o livro mais vendido do mundo; mas 57 por cento não lêem a Bíblia mais do que seis vezes num ano.

“A Bíblia é para ser lida por todos e diariamente”. Daí que a Igreja tinha que fazer é incentivar mais.

É preciso que em todas as reuniões os católicos se habituem a ler a Bíblia “. Devemos nós católicos nos comprometer, pelo menos uma vez por mês, as pessoas se juntem para ler e discutir a Bíblia ou em família ou com amigos.

A Bíblia é a palavra de Deus, é o próprio Deus que fala para nós, quantas vezes num momento de duvidas e aflições necessitamos de uma palavra de um conselho, de um conforto, procuremos na Bíblia o alimento para a nossa alma, tenha certeza que você irá encontrar.

Disse Jesus:

“Nem só de pão vive o homem mas de toda palavra que sai da boca de Deus”

Nos últimos tempos o povo está com sede e fome de Deus e somente irá saciar esta sede e esta fome se procurar este alimento nas sagradas Escrituras.

Eu mesmo tenho em casa e no meu trabalho um exemplar aberto sobre minha mesa, mas ela não está lá como enfeite, está ali para que eu me lembre o quanto significa aquelas palavras para a minha vida.A primeira coisa que faço ao sentar na minha mesa para começar o meu dia de trabalho é pegar ela nas minhas mãos e ler, sinto a paz que emana das palavras de Deus, sinto a força e a coragem que preciso para enfrentar mais um dia árduo de trabalho e quantas vezes aquela palavra veio de encontro ao que eu tava precisando, louvo a Deus por isso.

Amados, estamos no mês da Bíblia faça o habito de dedicar um tempo do seu dia para ler a palavra de Deus; depois você pode até orar com ela, leia os Evangelhos, os Salmos, as cartas de S. Paulo enfim são palavras de homens que entregaram sua vida a Deus, e inspirados pelo Espírito Santo serviram de instrumentos para que a palavra do nosso Criador chegasse até nós, faça esta experiência de dar o dizimo também do seu tempo para Deus, Refletindo: O Senhor nos deu um dia que tem 24 horas, quanto do seu dia você tem dedicado a ler a palavra de Deus? Pense bem, você tem retribuído o dom da tua vida a Deus como deveria? Pensando bem, nós temos tempo para tudo, para ficar horas sentados na frente da TV assistindo programas, novelas, filmes, futebol, temos tempo para passear, ir a praia ao shoping, ao cabeleireiro, ao barzinho, nos divertir mas infelizmente é lamentável que não temos tido muito tempo para as coisas de Deus, para ir a uma missa, para fazer uma oração, para a leitura da Bíblia, falando serio não temos dado nem um segundo do nosso tempo a Deus, mas queremos que Deus esteja sempre disponível para nos socorrer quando precisamos não é verdade? Porque num momento de desespero, de dor em que vivemos noites traiçoeiras só temos a recorrer ao Deus que nos criou, isso é uma grande hironia, mas é a mais pura verdade, diz o ditado quando não vamos a Deus pelo amor, com certeza vamos pela dor.

Portanto a proposta desse mês é que você leia a Bíblia, se não tem adquira uma, com certeza você sentirá o quanto sua vida irá mudar.

A PALAVRA DE DEUS É LUZ PARA OS NOSSOS CAMINHOS""

Andréa Silva

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Bem aventurados os pobres de espírito


Bem aventurados os pobres de espírito

Durante o sermão da montanha, o mestre Jesus afirmou: "bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus."

Ainda hoje muito se fala sobre tal ensinamento.

Eis que grande interesse desperta em todos os que tomaram conhecimento dos ensinos de Jesus.

No entanto, tal ensino, como tantos outros, resta ainda incompreendido pelos homens.

O que, afinal, o mestre pretendia proclamar?

Jesus proclama que Deus quer espíritos ricos de amor e pobres de orgulho.

Os espíritos ricos são aqueles que acumulam os tesouros que não se confundem com as riquezas da terra.

Seus bens não são jamais corroídos pelas traças, tampouco podem ser subtraídos pelos ladrões.

Os "pobres de espírito" são os que não têm orgulho.

São os humildes, que não se envaidecem pelo que sabem, e que nunca exibem o que têm.

A modéstia é o seu distintivo, porque os verdadeiros sábios são aqueles que têm idéia do quanto não sabem.

Por isso a humildade é considerada requisito indispensável para alcançar-se "o reino dos céus".

Sem a humildade nenhuma virtude se mantém.

A humildade é o propulsor de todas as grandes ações em todas as esferas de atuação do homem.

Os humildes são simples no falar.

São sinceros e francos no agir.

Não fazem ostentação de saber, nem de santidade.

A humildade, tolerante em sua singeleza, compadece-se dos que pretendem afrontá-la com o seu orgulho.

Cala-se diante de palavras loucas.

Suporta a injustiça.

Vibra com a verdade.

A humildade respeita o homem não pelos seus haveres, mas por suas reais virtudes.

A pobreza de paixões e de vícios é a que deve amparar o viajor que busca sinceramente a perfeição.

Foi esta a pobreza que Jesus proclamou: a pobreza de sentimentos baixos, representada pelo desapego às glórias efêmeras, ao egoísmo e ao orgulho.

Há muitos pobres de bens terrenos que se julgam dignos "do reino dos céus", mas que, no entanto, têm a alma endurecida e orgulhosa.

Repudiam a Jesus e se fecham nos redutos de uma fé que obscurece seus entendimentos e os afasta da verdade.

Não é a ignorância nem tampouco a miséria que garantem aos seres a felicidade prometida por Jesus.

O que nos encaminha para tal destino são os atos nobres, embasados na caridade e no amor incondicional.

Precisamos, também, adquirir conhecimentos que nos permitam alargar o plano da vida, em busca de horizontes mais vastos.

Pobres de espírito são os simples e nobres.

Não os orgulhosos e velhacos.

Pobres de espírito são os bons que sabem amar a Deus e ao próximo, tanto quanto amam a si próprios.

São aqueles que observam e vivem as leis de Deus.

Estudam com humildade.

Reconhecem o quanto ainda não sabem.

Imploram a Deus o amparo indispensável às suas almas.

Era a respeito desses homens que o Mestre Nazareno, em Suas bem-aventuranças, estava se referindo.

Muitos são os que confundem humildade com servilismo.

Ser humilde não significa aceitar desmandos e compactuar com equívocos.

Ser humilde é reconhecer as próprias limitações, buscando vencê-las, sem alarde, nem fantasias.

É buscar, incansavelmente, a verdade e o progresso pessoal, nas trilhas dos exemplos nobres e dignos.

Pense nisso.

(Extraído do site www.reflexão.com.br)

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

ICAI em festa por mais um ano de vida de Dom Augusto


Não poderiamos deixar de homenagear aqui nosso Bispo Dom Raimundo Augusto que completa mais um ano de vida hoje, vida dedicada a Deus e ao próximo.....Abençoado seja esse dia em que céus e terra estão em festa e os anjos do Senhor te cercam, louvando e exaltando o nosso Pai Celestial que por amor o criou e deu ao mundo como luz na vida de muitos e seta -> que conduz os que estão perdidos pelos caminhos desta vida, O "Pastor" que conduz seu rebanho por belas pastagens. Dom Augusto além do nosso Bispo és um grande mestre que ao longo da vida aprendeu com o mestre dos mestres Jesus Cristo, palavras não poderiam descrever aqui o quanto nosso coração exulta de alegria por te-lo como nosso Bispo em meio as provações, os sofrimentos, as perseguições continuastes firme na luta e na missão que o Senhor nosso Deus vos confiou, obrigado pelo teu SIM a Deus querido Dom Augusto, saiba que é um momento especial de renovação para sua alma e seu espírito, porque Deus, na sua infinita sabedoria, deu à natureza, a capacidade de desabrochar a cada nova estação e a nós capacidade de recomeçar a cada ano.

Desejamos a o Senhor, um ano cheio de amor e de alegrias.

Afinal fazer aniversário é ter a chance de fazer novos amigos, ajudar mais pessoas e como todos bem sabes Dom Augusto o senhor não mede esforços para ajudar o próximo, que Deus lhes pague, também a aprender e ensinar novas lições, vivenciar outras dores e suportar velhos problemas.

Sorrir novos motivos e chorar outros, porque, amar o próximo é dar mais amparo, rezar mais preces e agradecer mais vezes.

Fazer Aniversário é amadurecer um pouco mais e olhar a vida como uma dádiva de Deus.
É ser grato, reconhecido, forte, destemido.
É ser rima, é ser verso, é ver Deus no universo;
Parabéns a você nesse dia tão grandioso.

FELIZ ANIVERSARIO!!!!!!

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Jesus e os excluidos


Jesus veio à terra para “anunciar a Boa Nova aos pobres, proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista, para libertar os oprimidos e para proclamar um ano da graça do Senhor”.
O amor de Deus é uma sinfonia em dois movimentos que se completam e interferem mutuamente. Em primeiro lugar, o amor é um movimento vertical, ascendente e descendente. Jesus se referiu a esse movimento, quando disse que veio “anunciar a Boa Nova aos pobres... e proclamar o ano da graça do Senhor”.
O segundo movimento da sinfonia é horizontal, o relacionamento entre nós, que concretiza e realiza o vertical. “Se alguém disser: “Amo a Deus”, mas odeia o seu irmão, é mentiroso; pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê. Este é o mandamento que dele recebemos: quem ama a Deus, ame também seu irmão” (1Jo 4,20-21). Esse movimento horizontal, às vezes se torna vertical, sendo um verdadeiro “culto” a Deus.
Uma religião que quisesse chegar diretamente a Deus, sem passar pelo próximo, é uma ilusão, uma alienação espiritual, uma mentira.
Jesus privilegia os excluídos pela sociedade: Os pobres, os cativos, os cegos e os oprimidos... Isso significa andar na contramão da sociedade, que privilegia os não excluídos.
O “ano da graça do Senhor”, lá no profeta Isaías (Is 61,1-2), está expresso como “ano do agrado do Senhor”. Portanto é viver bem com Deus, obedecendo os seus mandamentos e fazendo a sua vontade.
No dia do nosso Batismo, nós também assumimos esse programa de Jesus como o nosso programa.
Os primeiros cristãos procuraram por em prática esse programa integralmente.
Jesus mistura a dedicação ao corpo e a dedicação à alma. Ele não separa as duas atividades. Naturalmente, quer que nós também não as separemos. De fato, quem ama verdadeiramente uma pessoa, não ama só a alma ou só o corpo dela, mas a pessoa inteira. E esse amor inclui também a proteção à natureza.
A nossa felicidade, a nossa vida, custou a morte de Jesus, como oferta total dele por nós. Amar não é dar coisas ao próximo, mas buscar a sua felicidade, mesmo que para isso precisemos sacrificar a nossa vida. “Ninguém tem maior amor do que aquele dá a vida por seus amigos” (Jo 15,13).
O amor só é verdadeiro se inclui, desde o começo, uma doação da vida. O amor, ou é total, ou não é amor. Amor parcial não existe, é apenas caricatura de amor. Quando vemos um mendigo na rua e lhe damos um trocado, ou apenas um sorriso, não estamos dando apenas um trocado ou um sorriso a ele, mas nesses gestos está embutida a nossa vida toda, doada a ele ou ela, se precisar.

domingo, 2 de agosto de 2009

Oração Ecumênica




"Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.
E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um.
Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim, e que os tens amado a eles como me tens amado a mim."

Joao 17,21-23

ORAÇÃO ECUMÊNICA

Pai de Infinita Bondade, enquanto na Terra os homens discutem quanto o que venha ser as Vossas Verdades, defendendo assim seus príncipios de fé, venho Senhor rogar que acima de qualquer definição do que impossível me parece definir, que me conceda o discernimento, quanto ao que venha ser bom ou ruim.
Que eu compreenda Pai, que independente do que há para além dessa vida, que o mais importante
é o que tenho realizado nessa existência.
Me faz lembrar sempre Senhor, que Jesus não indicou um templo, uma igreja, um núcleo para vos adorar,
mas que transformasse o coração num recanto de adoração,
onde o Senhor fosse adorado em Espírito e Verdade.
Me faz recordar sempre Senhor, o Mestre indicando ao jovem curioso de como entrar na vida,
ao contar-lhe a parábola do Samaritano, onde ele deixa claro que para se entrar na verdadeira vida
é imprescíndivel uma única coisa: o Amor, esse amor incondional que não vê raça, nacionalidade, classe social... Esse amor que tudo liberta.
Até quando Senhor, na tola pretenção de defender Vossas Verdades que mal conhecemos,
ficaremos em lutas, quando não polêmicas que geram a separatividade, a guerra que extermina vidas?
Porque Senhor tantos "ismos", conceitos divergentes se Nosso Amado Mestre simplificou tudo
no Amai-vos uns aos outros como eu vos amei?
Deus, tende compaixão de nós, esses pequeninos seres da Terra que ainda não aprendemos a amar,
pois poderemos louvar Vosso Nome, ofertar em Vosso Nome, e até ajudar em Vosso Nome,
mas se não tivermos amor no coração em nada tiraremos proveito.
Ensina-nos Senhor das vidas a respeitar nossos semelhantes em suas escolhas,
liberta-nos do preconceito que nos distancia uns dos outros, e dá-nos a Luz definitiva,
para chegarmos a plenitude do Amor, pois Vós Sois Amor, e sendo Vós amor,
só o amor conduzir-nos-à a Tua Vida Gloriosa!
Amém!


Samuel de Almeida

sábado, 1 de agosto de 2009

Casamento dos Padres


Na Biblia não vemos proibição a casamento dos Bispos e Padres, como está inscrito em:

1 Timóteo 1,1-13

1 Esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o episcopado (Bispos), excelente obra deseja.
2 Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar;
3 Não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento;
4 Que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia
5(Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?);
6 Não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo.
7 Convém também que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta, e no laço do diabo.
8 Da mesma sorte os diáconos sejam honestos, não de língua dobre, não dados a muito vinho, não cobiçosos de torpe ganância;
9 Guardando o mistério da fé numa consciência pura.
10 E também estes sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis.
11 Da mesma sorte as esposas sejam honestas, não maldizentes, sóbrias e fiéis em tudo.
12 Os diáconos sejam maridos de uma só mulher, e governem bem a seus filhos e suas próprias casas.
13 Porque os que servirem bem como diáconos, adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus.

em Timóteo 4,1-6

1 Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;
2 Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;
3 Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças;
4 Porque toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças.
5 Porque pela palavra de Deus e pela oração é santificada.
6 Propondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de Jesus Cristo, criado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido.

1 Timóteo 5,17

17 Os presbíteros (Padres) que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina;

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Guiados pelo Espírito Santo



"Batizado que foi Jesus, saiu logo da água; e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito Santo de Deus descendo como uma pomba e vindo sobre ele"(Mateus 3,16).


Conta-se a história de um guia que vivia nos desertos da Arábia e que jamais se perdeu pelo caminho. Ele levava consigo uma pomba caseira que mantinha presa a uma extremidade de uma boa corda, sendo a outra extremidade amarrada em sua perna. Quando tinha dúvidas a respeito de que rumo deveria seguir, soltava a pomba que imediatamente voava em direção à casa. Desta forma o guia sempre seguia corretamente o seu caminho. Por essa prática costumeira, aquele guia era conhecido como "homem pomba." De igual modo, o Espírito Santo, a Pomba divina, está sempre pronto a nos conduzir para uma vida plena e abundante na presença do Senhor.

Frequentemente nos vemos diante de situações que exigem uma decisão rápida e importante. O que fazer? Como podemos nos certificar de que tomamos, realmente, a melhor decisão?

É comum compartilharmos as dúvidas que possuímos com pessoas que julgamos serem amigas e capazes de nos ajudar na escolha a seguir. E sabemos que a Bíblia nos diz que "na multidão de conselheiros há sabedoria." Mas, com toda a boa vontade dos amigos, também não há garantia de que a decisão a tomar é a mais correta.

Quando colocamos nossas vidas no altar de Deus e convidamos o Espírito Santo a conduzir-nos por um caminho de bênçãos, podemos confiar que nos orientará sobre tudo que devemos fazer e até a quem buscar conselho no momento exato.

Quer estejamos em casa, na igreja, num beco que julgamos sem saída ou mesmo em um deserto árido e difícil de caminhar, podemos contar sempre com o auxílio do Espírito de Deus que não permitirá que sigamos por atalhos que apenas nos deixarão perdidos ou por caminhos de pedras que possam vir a ferir nossos pés e nossa fé. Ao confiar todos os nossos dias ao Senhor, teremos a certeza de que chegaremos rapidamente às bênçãos almejadas.

Você costuma consultar a Deus em suas decisões?

O poder da oração e da ação


Uma a pobre senhora, com visível ar de derrota estampado no rosto, entrou num armazém, se aproximou do proprietário conhecido pelo seu jeito grosseiro, e lhe pediu fiado alguns mantimentos.

Ela explicou que o seu marido estava muito doente e não podia trabalhar e que tinha sete filhos para alimentar.

O dono do armazém zombou dela e pediu que se retirasse do seu estabelecimento.

Pensando na necessidade da sua família ela implorou:
"Por favor senhor, eu lhe darei o dinheiro assim que eu tiver..." ao que ele respondeu que ela não tinha crédito e nem conta na sua loja..

Em pé no balcão ao lado, um freguês que assistia a conversa entre os dois, se aproximou do dono do armazém e lhe disse que ele deveria dar o que aquela mulher necessitava para a sua família por sua conta.

Então o comerciante falou meio relutante para a pobre mulher: "Você tem uma lista de mantimentos?"
"Sim", respondeu ela . "Muito bem, coloque a sua lista na balança e o quanto ela pesar, eu lhe darei em mantimentos".

A pobre mulher hesitou por uns instantes e com a cabeça curvada, retirou da bolsa um pedaço de papel, escreveu alguma coisa e o depositou suavemente na balança.

Os três ficaram admirados quando o prato da balança com o papel desceu e permaneceu em baixo.

Completamente pasmado com o marcador da balança, o comerciante virou-se lentamente para o seu freguês e comentou contrariado:
"Eu não posso acreditar!"

O freguês sorriu e o homem começou a colocar os mantimentos no outro prato da balança.

Como a escala da balança não equilibrava, ele continuou colocando mais e mais mantimentos até não caber mais nada. O comerciante ficou parado ali por uns instantes olhando para a balança, tentando entender o que havia acontecido...

Finalmente, ele pegou o pedaço de papel da balança e ficou espantado pois não era uma lista de compras e sim uma oração que dizia:

"Meu Senhor, o senhor conhece as minhas necessidades e eu estou deixando isto em suas mãos..."

O homem deu as mercadorias para a pobre mulher no mais completo silencio, que agradeceu e deixou o armazém. O freguês pagou a conta e disse:
"Valeu cada centavo..."

....Só mais tarde o comerciante pode reparar que a balança havia quebrado, entretanto só Deus sabe o quanto pesa uma prece...

Vemos a confiança da mulher em Deus na humildade da sua oração, ele que é sempre providente, e a resposta de Deus na ação da pessoa do fregues que pagou a conta da Senhora necessitada e da balança que quebrou no momento em que aquela senhora mais precisava....

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Programa de Apoio ao Idoso " Sociedade dos Cireneus"


A Igreja mantém um Programa chamado Programa de Apoio ao Idoso que é mantido pela sociedade dos Cireneus cuja sociedade tem como finalidade assistir e orientar pessoas carentes visando a reabilitação social, nesse programa estão contidos alguns projetos como: Suplementação alimentar, distribuímos um farnel com alimentos selecionados por nutricionista para completar a alimentação do idoso, o farnel é entregue todo mês, além do alimento, incluindo o pão de santo Antonio são 20 Paes por semana, também fornecemos medicamentos quando receitados fora do posto de saúde. As pessoas assistidas participam de oficinas de educação física" Movimento do Corpo" e de Alfabetização" “Retornando a aprender". contamos com estagiários da UEFS e alfabetizadores do TOPA programa de alfabetização de adultos. Ainda fazemos a entrega dos cobertores no inverno, peixe na semana santa e pelo natal dobramos o farnel e acrescentamos, frango, panetone e um presente com todos os elementos de higiene pessoal.


Essa é uma das Ações Sociais da ICAIB, gostaríamos de convida-lo a tornar-se um novo Cireneu ajudando o outro a levar a sua cruz, a cruz da exclusão social e da exclusão espiritual. Fale conosco (75) 3623-4699 ou email: paroquia_mae_excluidos@hotmail.com

terça-feira, 21 de julho de 2009

O amor de Deus


Dizem que o amor é a coisa maior do mundo. E do nosso ponto de vista o amor é a coisa maior em Deus. Sem amor Sua justiça nos condenaria; Sua santidade nos afastaria de Sua presença e Seu poder nos destruiria. O amor é a única esperança dos pecadores e nossa maior preocupação deve ser a descoberta do amor de Deus para conosco.
Sendo que Deus é luz, Seu amor não é fraqueza de boa índole nem indulgência de boa natureza. Porque Deus é luz, Seu amor é um amor santo, e não um simples sentimento. O amor de Deus nunca entra em conflito com Sua santidade.
O amor de Deus pode ser definido como um princípio eterno de Sua natureza pelo qual Ele é movido a conferir bênçãos eternas e espirituais. O amor é a causa que move todos os Seus atos de misericórdia e graça. O amor de Deus é a prova de que todas as coisas operam para o bem final do Seu povo; ele é a base de toda a Sua atividade de redenção.
Deus é imutável. Deus não muda nem pode haver mudança em Seu amor. "Como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim". João 13,1. O amor de Deus por Seu povo não teve princípio e, bendito seja Seu nome, ele jamais terá fim. É como o próprio Deus, de eternidade a eternidade. O argumento principal de Paulo pela segurança do salvo é que nada pode nos separar do amor de Deus... nada na sepultura do passado, nada nos perigos do presente nem nada no ventre do futuro. O amor de Deus não é sujeito a mudança.
O amor de Deus é eficaz. Isto é óbvio, pois é o amor do Todo-Poderoso. Grande é o significado de ser amado por Deus. Muitas vezes somos amados pelos que não podem nos ajudar. Eles não têm a capacidade de fazerem por nós o que desejariam fazer. Tal amor é insuficiente pela falta de poder para torná-lo eficaz. Dario amava a Daniel, mas não tinha o poder para salva-lo. Mas nós somos amados pelo Todo-Poderoso, a quem nada é difícil. Os objetos do amor de Deus são eternamente seguros. Aquele que se assegura do amor de Deus, assegura-se também duma morada celestial.
Deus é amor e Ele manifesta o que Ele é. Não existem atributos divinos vãos em Deus. Não há tal coisa como amor secreto. O amor se mostra exteriormente, quer seja de Deus, quer seja do homem. O amor é um princípio ativo e vivo da vida.
"Se o objeto do amor é amável, então a emoção de amor é complacência. Se o objeto precisa de bondade ou beneficência, a emoção é benevolência. Se o objeto encontra-se em estado de angústia, a emoção é de compaixão ou piedade, etc. Do mesmo modo que o princípio fundamental do fogo é o mesmo seja qual for a matéria consumida, assim o amor divino sempre se baseia no mesmo princípio".

sexta-feira, 17 de julho de 2009

MENSAGEM PASTORAL


Nós, eleitos pela Graça de Deus e pela iluminação do Espírito, muito embora que indignos para o pastoreio do Rebanho de Cristo, que está sob a custódia da ICAIB em Feira de Santana e região, debaixo da proteção de Nossa Senhora Maria, Mãe dos Excluídos, vos saudamos a todos que visitarem esse blog desejando que a Paz de Cristo esteja convosco.
Nestes últimos dias o "Senhor tem se servido de muitos meios" para se comunicar conosco e o tem feito mediante a Ação da Igreja de Cristo disseminada pela orbe, chamando os pobres e oprimidos a alegria da liberdade e da Paz. Várias manifestações de fé tem surgido neste século e iluminado a razão humana, levando o homem a compreender-se irmão e igual na luta contra o mal em defesa da Salvação e do Reino de Deus.
Os sinais com que o senhor nos tem sinalizado, são uma mostra do quanto nos tem amado o nosso criador, desde que, no compromisso da promessa a Abraão e na confirmação, pelos patriarcas e profetas que conduziram o povo de Deus, até a realização do plano salvífico do Senhor. Agora temos a responsabilidade de conduzir o Povo de Deus e nos cabe enaltecer os que antecederam no Pastoreio, exaltando o sacrifício com que suportaram os sofrimentos que lhes foram impostos na caminhada missionária que empreenderam na luta da Evangelização. De saudosa memória, lembramos Dom Salomão Ferraz a quem o Senhor confiou especial vocação para a luta pela união de todos os que crêem em Jesus Cristo e o aceitam como Salvador. A consolidação de sua obra através da Ordem de Santo André e da Igreja Católica Livre, num contexto histórico onde o grito de independência poderia significar a quebra dos grilhões que amordaçaram os lábios, que juntos poderiam realmente rezar o Pai Nosso, ao invés de Um Pai Meu, controlados pelo obscurantismo da hierarquia escravizante, libertada pelo Espírito do Senhor na pessoa do santo inspirado Papa João XXIII, no seu Concílio Vaticano II, dirigindo aos povos do mundo, congregando todos os credos num momento de reflexão, para transformar o mundo e a Fé com o Esplendor da esperança da formação de um só rebanho e um só pastor.
A História de União dos Cristãos em nosso País, tem se esquecido ou ignorado convenientemente o brilhante papel desempenhado pelo combativo Bispo - Auxiliar da Arquidiocese de São Paulo, depois de ser reconhecido o primeiro Bispo "casado" no Brasil quiçá da Igreja Católica Romana, no aceno feito pelo Papa João XXIII, reconhecido pela combatividade de escritor de tantos livros, em favor, tão essencial da continuidade da missão de expansão da causa do Evangelho de Jesus Cristo no mundo de hoje. Abandonado nos seus ideais, Dom Salomão Ferraz legou ao também e não menos ilustre Dom Manuel Ceia Laranjeira, a missão de tornar real o sonho da continuidade do ideal através da IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA INDEPENDENTE NO BRASIL, congênere da Igreja Livre, que remontava sua luta aos idos de 1936. Destacou-se Dom Manuel pelo espírito de fraternidade e sabedoria com que soube dirimir as dúvidas e superar os conflitos, num momento tão difícil para a causa do catolicismo nacional, chama acesa desde o berço presbiteriano, donde trouxe o espírito de luta, de sacrifício, o saudoso patriarca que lhe confiou a missão no chamado ao Pastoreio.
Saibam todos que eles e nós, não pregamos uma nova religião, mas a mesma religião de que outros possuem os preciosos fundamentos; não um outro Cristo, mas o mesmo Cristo; não essencialmente uma nova Igreja, mas a mesma Igreja das tradições Apostólicas, apenas em moldes mais livres e consentâneos com os princípios e metodos do Evangelho e mais adequados às necessidades espirituais e sociais do nosso tempo.
Ao nos defrontarmos com os desafios da moderna civilização em que vivemos, também nos deparamos com as injustiças sociais, as exclusões, as discórdias e divisões que abalam a humanidade e não seria coerente da nossa parte sermos cristãos excluindo ou dividindo o já tão dividido "Reino" o que só faria soçobrar a barca da fé que deve conduzir todos nós, ao Reino de Deus. É pois neste projeto de evangelização, que colocamos nosso ideal de servir aos irmãos excluídos desta sociedade injusta, acalentar os que não são compreendidos na sua fé, orientando-os para a verdadeira prática do Evangelho, onde são todos chamados a partilhar a herança prometida a Abraão e sua descendência.
Seremos cristãos, quando soubermos ver no "outro" o mesmo "eu" que existe em cada um de nós. Seremos cristãos de verdade quando não mais existirem muros separando nossas crenças, mas a abóbada celeste se constituir no teto único do verdadeiro templo dos Filhos de Deus. Seremos verdadeiramente construtores do Reino de Deus, quando não mais nos discriminarmos apenas por sermos pessoas de condição sociais diferentes.
Cremos que o melhor da nossa vida está nessa disponibilidade para servir e assim crendo, renovamos nosso compromisso de estar sempre onde esteja o sofrido e excluído povo de Deus.
Concluo esta mensagem, agradecendo ao generoso povo de Deus que nos acolhe e escolhe como pastor. agradeço a Hierarquia da Igreja pela confiança gentil e fraterna, com que nos tem distinguido nossos irmãos no episcopado, dentre eles: Dom Roberto Garrido Padin, nosso anterior e sempre Bispo Diocesano de São Salvador da Bahia.
Agradeço aos amigos e irmãos de outras denominações cristãs, aos quais demonstramos nosso reconhecimento e nossa solidariedade, na esperança de que nos veremos todos sob o mesmo pastoreio de Cristo na casa do PAI.
Agradeço em memória ao nosso Ínclito Patriarca Dom Salomão Ferraz, pelo ideal do catolicismo livre, a Dom Manoel Ceia Laranjeira, pela continuidade da luta, pelo exemplo que legou a todos nós, seus sucessores na caminhada da fé. A Dom Pedro Villas Boas de Souza, combatido Bispo de Embuguaçu e grande pregoeiro do Evangelho de Cristo, pela Ordem Presbiteral, descanse em Paz. Por fim e ao não menos ilustre Dom Paulo Ferreira da Silva, escolhido para neste novo tempo continuar levando adiante esta luta pelo reino de Deus na terra, a nossa profunda gratidão; ao nosso Epistata pagina viva da história desta Igreja Dom Felismar Manuel e a todos os filhos e filhas de Deus.

Dom Augusto ( Bispo Abade de Feira de Santana )

Festa de Santa Barbara





<

Fotos da festa de Santa Barbara na Igreja de Santa Barbara no bairro da Liberdade em Salvador Bahia, contou com a presença Ilustre de Dom Roberto Bispo da Diocese de São Salvador, Dom Augusto Bispo Abade de Feira de Santana, Pe. Marcio Tranquilli da Paróquia Nossa Senhora das Candeias em Pirajá Salvador, Frei Bruno da Igreja Anglicana, Pe. Gelson da Paróquia de Santa Barbara, Pe. Oseas da Paróquia de São Caetano Salvador, Diácono Marcos Paulo e Roniton de Feira de Santana, juntamente com toda a Comunidade, sendo uma festa muito bonita e cheia de bençãos.

Padroeira da Capela Santa Luzia



Festa: 13 de Dezembro. Comemora-se todo dia 13.

Se você anda contrariado com alguém ou com alguma coisa, você precisa da ajuda de Santa Luzia. Santa Luzia é também a Santa que protege e resolve todos os problemas relacionados com "os olhos" das pessoas. Recebeu de Nosso Senhor esta linda missão porque, como conta a tradição, por não aceitar falsos deuses, foi presa e arrancaram-lhe os olhos e, no dia seguinte ela estava com eles perfeitos.

ORAÇÃO - Santa Luzia, consagrada a Deus com voto de castidade, enfrentastes com fortaleza quem tentava violar este voto. Não aceitastes de forma alguma adorar falsos deuses e, por isso, fostes martirizada. Alcançai-me de Deus a firmeza em meus bons propósitos. Protegei-me contra todo mal dos olhos. (Se você estiver com algum problema nos olhos diga qual é e peça ajuda). Fazei que eu use da minha vista, somente para olhar o mundo e as pessoas com caridade e otimismo. Pela vossa poderosa intercessão, alcançai-me a força de superar qualquer contrariedade, principalmente, a que estou passando agora (dizer qual é a sua contrariedade), mantendo viva minha fé em Jesus Cristo, nosso único Senhor. Ele que vive e reina com o Pai e o Espírito Santo, por todos os séculos e séculos. Amém.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

SUCESSÃO APÓSTOLICA E SACRAMENTOS VALIDOS


Igreja Católica Apostólica Independente. Temos Sucessão Apostólica em Dom Salomão Ferraz; seus Sacramentos, validos e lícitos sao sinais da graça divina que produzem efetivamente a graça na alma de quem os recebe, pela ação direta do Espírito Santo. Somos parte da Igreja de Cristo, Una, Santa, Católica e Apostólica, para a Gloria de Deus e salvação de todos e todas.
Testemunhamos o Evangelho livre e libertador de Jesus Cristo, pois sabemos "que Deus não faz acepção de pessoas" (At 10,34).

VALIDADE DO BATISMO


CONSIDERACOES SOBRE A VALIDADE DO SACRAMENTO DO BATISMO ADMINISTRADO POR MINISTROS DA IGREJA CATOLICA APOSTOLICA INDEPENDENTE – ICAI

Brasília, 14 de marco de 2002.

Fomos solicitados varias vezes a esclarecer a atitude de Bispos e Presbíteros da Igreja Católica Romana que se negam a reconhecer a validade do Sacramento do Batismo administrado na Igreja Católica Apostólica Independente.
A ICAI foi fundada em 1966*, por Dom Manoel Ceia Laranjeira e por um grupo de Presbíteros que pretendiam renovar os ideais da “Igreja Católica Livre” fundada por Dom Salomão Ferraz em 1928.
Damos por conhecidos a historia e os ideais de Dom Salomão Ferraz e da ICAI, para deter-nos nos problemas mais diretamente ligados a administração do Sacramento do Batismo e sua validade.
Em “Carta Pastoral dos Bispos da Província eclesiástica de São Paulo sobre a Igreja Brasileira” (Comunicado Mensal da CNBB, dezembro de 1972 – No. 243), no Item IV – Normas Praticas, afirma-se: “Dada a especial seriedade das realidades sacramentais e o cuidado com que devemos cercar a administração destes “mistérios de Deus”, e como não há garantia de validade para os Sacramentos recebidos na “Igreja Brasileira”, sejam reiterados, “sob condição”, cada vez que se apresentar o caso” (cf. p.95).
O caráter disciplinar dessa norma particular da Província eclesiástica de São Paulo tornou-se uma praxe geral para os Bispos e Presbíteros romanos no Brasil. Com certa dificuldade, foi colocada em Nota as edições do Código de Direito Canônico e do Diretório para a aplicação dos princípios e normas do ecumenismo.
Em resposta a uma interrogação dos Bispos do Nordeste, a Congregação para a Doutrina da Fé indicou a Norma 869, parágrafo 2: “Aqueles que foram batizados em comunidade eclesial não-católica não devem ser batizados sob condição, a não ser que, examinada a matéria e a forma das palavras usadas no Batismo conferido, e atendendo-se a intenção do batizado adulto e do ministro que o batizou, haja seria razão para duvidar da validade do batismo”.
Embora existam situações diferentes em vários lugares do Brasil, não se pode levantar nenhuma duvida quanto a matéria e a forma empregadas na administração do Batismo pelos ministros da ICAI.
Permanece um esclarecimento sobre a suposta falta de intenção que resultaria manifesta pela falta de formação de alguns ministros, pela conduta moral de outros, pelas finalidades lucrativas de outros, pelo engano devido as semelhanças com o rito romano, por serem “clerici vacants” e não terem uma comunidade própria.
Obviamente, não podem ser atribuídos todos estes defeitos conjuntamente a cada ministro da ICAI, a parte o fato de que alguns deles não são isentos também ministros da Igreja Católica Apostólica Romana. É uma obrigação, segundo o CDC, examinar também “a intenção do batizado e do ministro que o batizou”, isto é, de cada batizado adulto e de cada ministro. É, portanto, improvável que se possa afirmar em geral a não validade do Batismo pelos ministros da ICAI.
O exame da intenção do ministro, por respeito ao Sacramento, merece “cuidadoso inquérito” e geralmente não está ao nosso alcance, a não ser por declaração do interessado ou que o Batismo faca parte de uma peca de teatro a presunção é a favor da validade. A não-validade deve ser provada.
Quanto ao Batismo de crianças, a questão fé mais complexa. Não se pode acusar de proselitismo quem batiza crianças apresentadas por familiares que não fizeram o curso de preparação, como reclamam Padres católicos. O curso não justifica nem invalida o Batismo de crianças.
Gostaria de propor a leitura de respostas antiqüíssimas sobre a validade do Batismo:
“Você afirmou que alguns foram batizados, sem interrogá-los sobre o Símbolo, por Presbíteros adúlteros e indignos. Nisto a sua caridade conserve o antigo costume da Igreja, a saber: quem foi batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, não é licito de modo algum rebatiza-lo, porque não recebeu o dom desta graça do ministro, mas em nome da Trindade. Guarde-se o que diz o Apostolo: “um só Deus, uma só fé e um só batismo” (Ef 4,5). Porem, te pedimos antecipadamente que ás tais pessoas administre com mais empenho a doutrina espiritual” (Gregório, carta Desiderabilem mihi, a Bonifácio, 22 e novembro de 726).
Uma outra resposta interessante sobre a validade do Batismo é a do papa Estevão I, no ano 754, dirigida á um mosteiro da Franca: “Quanto ao tal Presbítero, que batiza de maneira tão rude... e enquanto Presbítero, não se sabe se foi consagrado por um Bispo, deve ser deposto do ministério sacerdotal..., mas as crianças que foram batizadas, ainda que de maneira tão rude, permaneçam batizadas posto que lhe foi dado em nome da Santissima Trindade”.
A norma do Diretório para a aplicação dos princípios e normas sobre o ecumenismo, enfim, é a seguinte: “Se, mesmo após cuidadoso inquérito, persistirem serias duvidas quanto a correta administração do Batismo e se se julgar necessário batizar sob condição, deve o ministro católico mostrar respeito pela doutrina segundo o qual o Batismo só pode ser conferido uma única vez, explicando a pessoa visada por que razão, neste caso, ela é batizada, o Batismo, sob condição, deve ser administrado em privado e não em publico" (Diretório Ecumênico, 98d).

Gostaria de concluir com algumas afirmações gerais:
1. Não existe para a ICAI uma declaração geral da Igreja que afirme a não-validade do batismo, mas somente uma norma disciplinar da Província eclesiástica de São Paulo.
2. O Batismo administrado por ministros da ICAI deve ser considerado valido ate a prova em contrário.
3. A não-validade deve ser provada através de cuidadoso inquérito.
4. Quem tem a obrigação de investigar cuidadosamente, em caso de duvidas é o ministro católico.
5. O que deve ser investigado, no nosso caso, é a intenção do ministro da ICAI que batizou e do adulto (ou dos pais da criança) que pediu o batismo.

Na esperança de abrir um dialogo sobre uma questão que deve ser avaliada á luz da doutrina sobre o Batismo e não sob o peso das relações cotidianas muitas vezes conflitavas, saúdo cordialmente.

Pe Gabriele Cipriani
Assessor de Ecumenismo e Dialogo Inter-religioso da CNBB