quinta-feira, 25 de agosto de 2011

20 de agosto dia do Maçom

video

Meus irmãos, celebramos no ultimo dia 20 deste mês o dia de São Bernardo de Claraval, e concomitantemente o Dia do Maçom. A coincidência das duas datas, nos chama atenção uma vez que não há referência que a data tenha sido instituída de forma a coincidir com a celebração do dia da Regra original da Ordem do Templo. Ora sabendo que o Templo como organização tem destacado papel na formação da Maçonaria quisemos juntar as datas e também de forma inusitada tivemos em nosso Programa de Rádio a presença do Grão Mestre da grande Maçonaria Mista da Bahia, Movimento renovador que permitiu a Mulher a participação efetiva na loja como Maçom participando assim não mais como apenas aquelas que cuidavam da parte social da loja, mas agora como Irmãs desempenhando todas as funções.

Estes irmãos nos visitaram no domingo ocasião que agradecemos a Deus por tão portentoso evento o qual nos abre uma nova perspectiva entre a Igreja e a Maçonaria fruto de tantos interrompidos enganos e engodos ao longo dos séculos.

A igreja Católica Apostólica Independente da Tradição Salomoniana abraça os Irmãos Maçons e compreendem a ordem com uma das mais significativas organizações humanas no aprimoramento moral e espiritual de seus seguidores que se irmana em servir tão presentes nos ideais de solidariedade, Igualdade e Fraternidade.

Que Deus nos abençoe a todos!

Dom Augusto
Bispo da Igreja Católica Independente de Tradição Salomoniana

Convite onomástico (aniversário) Dom Augusto



quarta-feira, 24 de agosto de 2011

sobre a segunda união parte II

Sobre a segunda união parte II

Como dissemos, nossa Igreja entende que deve dar uma outra oportunidade àqueles que porventura tenham sido vitimas de uma separação. Compreendemos que um Sacramento para ser validamente administrado e recebido e consequentemente transferido seu efeito àquele que o recebe, deve ser transmitido pelo ministro daquele Sacramento, com a formula corretamente pronunciada e usando a matéria referente aquele efeito desejado; a transmissão, tanto da graça, quanto do carisma com seus efeitos. Ora o Sacramento do matrimonio tem como Ministro os próprios noivos, como formula as palavras sacramentais do consentimento isto é "Eu te recebo por minha esposa (esposo) e te prometo ser fiel, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, por todos os dias da minha vida". E como Matéria Sacramental o Amor.

Ora, sabe-se que se um dos elementos do Sacramento estiver impróprio não há efeito sacramental e não há a transmissão do carisma. Assim sendo, observa-se que quando da separação de um casal um ou dois dos elementos sacramentais, estão pois corrompidos ou seja contaminados. Por exemplo, se não há mais Amor, pode se dizer que o sacramento naturalmente, dissolve-se por falta dos elementos essenciais a plena realização do mesmo.

Partindo dessa interpretação cabe ao Bispo em sã consciência, determinar a anulação do vinculo e determinar a ministro autorizado a realização das sagradas núpcias, apenas uma segunda vez não sendo permitido que se faça por vezes seguidas a bênção nupcial dos que se separam.

Na segunda união, deve o Ministro que recebe o casal verificar o fiel comprimento do que a lei determine sobre os filhos do casal se houver.
Deve pois aqueles que buscam a segunda união terem em mente que a Igreja lhes concede um beneficio espiritual baseada na presunção de que se ame verdadeiramente e que este amor seja em dom de Deus.

Informe-se sobre a segunda união pelo nosso telefone (75) 3623-4699

Dom Augusto

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Sobre a família Cristã


Repensar a organização familiar faz parte da tarefa diária para todos aqueles sobre cujo ombros pesa a responsabilidade de contribuir com o desenvolvimento humano. Organização pensada e criada por Deus para ajudar o homem de forma a que se desenvolvesse física-intelectual e moralmente, agregando ai também o crescimento do espírito, a família é esse núcleo onde o homem nasce, cresce se desenvolve e morre. Pensar pois a organização e desenvolvimento da família é contribuir para o melhor ordenamento da sociedade e uma maior ampliação da vivência do sentimento religioso.
Na idade moderna, com o desenvolvimento económico, deu-se uma nova feição à condução da família, desde a sua formação, até os passos mais concretos de sua constituição. Como forma moderna de ser a família de nossos dias dispensa até a presença de um dos cônjuges, já que produções ditas independentes", dispensam a presença do Pai e o fruto de uma inseminação artificial é criado como filho só da mãe, auto suficiente que deturpa na criança informação dissociando a necessidade do referencial masculino e assim o filho sem esse esteio na personalidade, cresce ignorando a realidade de um lar.

A falta da pratica religiosa e sua efetiva observância no lar. leva o individuo ao desconhecimento total de si mesmo. Nessas circunstancias a religião seria o alimento que daria uma performance de espiritualidade e amor, não existindo estes pressupostos básicos de organização familiar fé amor pai e mãe e disposição de cuidar e educar com toda a responsabilidade que isto implica, não sendo desta forma, não se pode esperar que a sociedade possa contar com cidadãos aptos a bem servir a organização social politica e religiosa do estado.

Dom Augusto
Bispo da ICAI-TS

Casamento de segunda união (ou de divorciados)

A Igreja Católica da Tradição Salomoniana por seus estudiosos da Doutrina da Escritura sobre a união do homem e da mulher a que se denomina – Matrimônio ou união conjugal – Casamento etc. compreende que o vinculo sacramental expresso pela manifesta vontade dos cônjuges em presença de testemunhas e da comunidade e em ato de consagração a Deus do Amor que sentem um pelo outro e do desejo de viver em comunhão buscando cada um a felicidade do outro.
A realização de tal projeto entretanto algumas vezes sofre as injunções do mundo exterior que lamentavelmente interfere na vida do casal, vindo desaguar na separação de ambos e dissolução da família então constituída. Quando esgotado os recursos para manter a união do casal a Igreja tem o dever de manter o cuidado com almas daqueles a quem teve a felicidade de unir sacramentalmente não os deixando a própria sorte.
Devido o papel de mãe e mestra a igreja transmite pela assistência religiosa orientação aos que se separam para que não se afaste de Deus e dos seus filhos dos quais não se apartem nunca.
Ora Irmãos, consumada a separação e da natureza do homem que surja outro interesse ou sentimento por outra pessoa. Neste caso a Igreja não pode negar a estes o direito de uma nova vida e uma oportunidade nova que lhe é oferecida pelo próprio Deus através do amor. Sabendo que o Amor é dom de Deus ninguém pode amar a não ser que o Senhor lhe faculte tal sentimento; dai compreende-se que a benção a este novo amor não pode ser negada. Por isso a nossa Igreja, oferece a Benção Matrimonial aos fieis que buscam a segunda união (casamento de Divorciados) para assim perpetuar a Benção de Deus a essa nova família e aos filhos que gerar.
A cerimônia obedece ao rito normal e é precedida da preparação e apresentação dos documentos de praxe.
Que o Senhor mantenha sempre unidos aqueles que abençoôu pelo sacramento do Matrimonio. Amém!


Dom Raimundo Augusto
Contato: (75) 3623-4699

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Semana da Família


Meus irmãos,

Celebra-se nesse próximo domingo dia 14/08 o Dia dos Pais. Deixando de lado todo o apelo comercial da data utilizada por nossa sociedade consumista com mais uma oportunidade para a movimentação financeira do comercio e aquecer a economia. Mas, considerando o carater espiritual da comemoração, devemos lembrar da figura paterna como aquele que todo dia desempenha na vida dos filhos, relevante papel de protetor, defensor, criador, mantenedor e amigo de todos os momentos.

Representa na Sociedade conjugal aquele parceiro sem o qual é impossivel formar-se a familia, observando-se os meios naturais de procriação. Nesse mister o homem chamado a tal vocação, recebe de Deus um dom especial que o torna representante do próprio Deus.

O Pai muitas vezes é execrado quando no desempenho do papel de esposo sua relação com a companheira sofre solução de continuidade, resultando dai na separação dos tais. Nestes casos, o grande erro que se comete é separar os filhos do Pai por que o casamento não deu certo, a figura Paterna é de fundamental importância para formação do carater do filho. assim, no Dia dos Pais que haveremos de considerar?

Consideramos este homem que doa de si a parcela para a formação do filho e que dai vem o mérito de sua missão, lembramos que muitos deles se dão ao trabalho exaustivamente para manter e dar sentido a vida dos seus filhos. Seus exemplos, seus ensinamentos e cuidados, nos fazem lembrar de tudo quanto devemos a estes heróis. Agradecemos pois a Deus pela vida e pela história de nossos queridos pais, os quais tanto contribuem para a nossa felicidade.

Parabéns Papai
!

Dom Augusto

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Infidelidade virtual....


Infidelidade virtual

“Ouvistes que foi dito: “Não cometerás adultério”. Ora, eu vos digo: todo aquele que olhar para uma mulher com o desejo de possui-la, já cometeu adultério com ela em seu coração.” Mt 5,27-28

Meus irmãos,

Muito se tem conversado e escrito, sobre um determinado site que na internet estimula as pessoas a traírem seus parceiros em relações pela rede, indo de simples flerte até o sexo virtual. Discute-se sobre se tau pratica se constitui ou não uma traição conjugal ou um ato de infidelidade a um parceiro de relacionamento.

Na verdade não fora o permisivismo imperante no nosso tempo, tal hipótese nem seria discutida, como pode um cristão discutir que tais distrações possam ser considerados normais e não se constitui uma grave falta para com Deus e nem com aquele que compartilha a vida e os sentimentos? Na atual realidade interpretativa desta moral nossa, o ato não se consubstanciou fisicamente ficando apenas na pratica individual e solitária do prazer dado largas somente as mais esdrúxulas fantasias, entretanto meus irmãos o que dizer do texto que ilustra o pensamento do nosso Salvador Nosso Senhor Jesus Cristo?

Meus irmãos, o verdadeiro amor se pauta não pelo prazer mas pela felicidade da essencialidade do outro em nossa vida, o prazer de compartilhar com o outro, os sentimentos alegrias e tristezas, compartilham a vida. Assim sendo não se compreende que quem verdadeiramente ama precise buscar por vias tão irreais uma satisfação que apenas atende a concupiscência da carne.

Por isso meus irmãos e irmãs, mesmo aqueles que ainda não estão comprometidos ou aqueles que namoram é salutar tais praticas virtuais uma vez que se constitui apenas vícios sexuais, uma prevaricação pecaminosa, por ser vicio apenas e segundo a palavra “os viciados não verão a face de Deus”.

Dom Augusto